A Pesquisa Comunitária é o que o desenvolvimento atual precisa

Guias de Ação Comunitária Global para apoio aos Organizadores de Comunidades

Por Ishita Petkar, John Mwebe e Tom Weerachat

A (IAP) está animada em compartilhar três novos materiais sobre Pesquisas Comunitárias, como parte da nossa nova série de Guias de Ação Comunitária Global.

Esses materiais trazem:

  • orientação concreta e passo-a-passo sobre como as comunidades podem conduzir suas próprias pesquisas para determinar suas prioridades de desenvolvimento e responder a projetos de desenvolvimento indesejados;
  • dicas práticas, ferramentas e atividades para a condução de pesquisas comunitárias; e
  • histórias inspiradoras de organizadores comunitários experientes de todo o mundo que utilizaram a pesquisa comunitária para redefinir o processo de desenvolvimento.

Membros de comunidades, organizadores e representantes da sociedade civil podem usar esses materiais para mobilizar comunidades, documentar danos e violações de direitos e promover campanhas lideradas por comunidades.

“Quando os membros da comunidade realizam suas próprias pesquisas, podem fazer descobertas que pessoas de fora não seriam capazes de fazer. As comunidades possuem conhecimentos sobre seus ambientes e arredores que os planejadores e tomadores de decisão podem não possuir. Com frequência, o processo de pesquisa em si ajuda a comunidade a entender melhor os problemas que enfrenta, a ganhar confiança em seus conhecimentos e ideias, a fortalecer a solidariedade e responsabilidade entre os membros da comunidade, e a aprender as habilidades necessárias para sua organização.”

Existem três livros nesse Guia de Ação Comunitária:

oferece orientação clara e detalhada de cada passo do processo de pesquisa e sugere atividades e ferramentas para construir métodos de iniciativa comunitária e promover seu avanço. Esse livro inclui informações sobre proteção e segurança e as histórias de três organizadores de comunidades que usaram pesquisas comunitárias para advogar por suas campanhas.

apresenta uma visão geral mais concisa sobre a pesquisa comunitária. A Lista resume o processo em passos claros para a preparação e execução da defesa de direitos e pode ser utilizada sozinha ou como complemento ao . Esse livro também inclui links de recursos e ferramentas para ilustrar melhor cada passo.

O Comunitárias contém instruções e amostras de questões desenvolvidas e usadas por comunidades e parceiros da sociedade civil em 14 países ao redor do mundo. Essas perguntas foram formuladas para ajudar as comunidades a explorarem suas experiências diretas e seus conhecimentos sobre o processo e os impactos destrutivos de projetos de desenvolvimento, além de identificar suas ideias e suas prioridades para sua visão do desenvolvimento. Esse modelo pode ser adaptado e traduzido para se adequar a diferentes contextos, com uma versão editável disponível para download .

“A pesquisa comunitária que realizamos em Marange fortaleceu nossa luta de forma notável e foi uma ferramenta poderosa de mobilização ao permitir que as comunidades se organizassem em torno de uma agenda em comum. Hoje, as pessoas em Marange não tem mais medo de falar abertamente de seus problemas com a mineração de diamante ou questionar o governo. Ao tomar as rédeas do processo e da pesquisa, eles estão fazendo suas vozes serem ouvidas.” — Melania Chiponda, WoMin.

Vimos em primeira mão o poder transformativo da pesquisa comunitária quando utilizada pelas comunidades, sociedade civil e movimentos ao redor do mundo para fortalecer sua defesa de direitos e campanhas para resistir projetos de “desenvolvimento” danosos. Como parte do , a IAP e seus parceiros trocam informações com comunidades que podem ser afetadas por projetos de desenvolvimentos sendo propostos, incluindo material sobre possíveis estratégias de respostas. Muitas comunidades escolhem realizar a pesquisa comunitária como um primeiro passo em resposta ao projeto proposto.

Leia mais sobre as experiências de comunidades ao redor do mundo que estão usando pesquisas comunitárias para responder ao desenvolvimento indesejado:

No i, os resultados da pesquisa comunitária influenciaram fortemente os potenciais investidores do Projeto Hídrico de a desistirem do projeto, além de empoderar intervenções lideradas pela comunidade com o governo de Malawi ao abordar as questões de consulta e reassentamento.

Membros da comunidade impactados pela Usina Geotérmica de Akiira participam de uma reunião da comunidade

No , comunidades indígenas Maasai e outros grupos afetados pelo Projeto da usaram a pesquisa comunitária para coletar dados sobre suas experiências com o projeto, com base em seu conhecimento local e expertise. Suas recomendações foram usadas em trabalho de advocacy frente ao Banco Europeu de Investimento, o governo do Quênia e as empresas envolvidas para garantir que o projeto respeitasse seus direitos e atendesse às suas prioridades.

No , comunidades indígenas afetadas pela — financiada pelo Banco Asiático de Desenvolvimento — conduziram uma pesquisa comunitária para revelar problemas na consulta, acesso à informação e impactos nos meios de subsistência e práticas tradicionais. Suas descobertas estão sendo usadas para apoiar sua campanha e engajamento com desenvolvedores de projetos e investidores.

As comunidades impactadas pelo Projeto de Desenvolvimento Sustentável da Pesca da Província do Norte participam de um workshop

No , comunidades de pescadores usaram as ferramentas da IAP para exigir acesso à informação, consultas significativas e participação em um , mobilizando-se para garantir que as necessidades e prioridades da comunidade definissem o desenvolvimento.

Na , comunidades impactadas pelo realizaram sua própria pesquisa comunitária e o monitoramento dos impactos do projeto, o que resultou em melhor compensação e reassentamento para os moradores mais vulneráveis.

O Sr. Sikander Brohi, Diretor Executivo de Iniciativas de Desenvolvimento Participativo, compartilha as conclusões do processo de pesquisa liderado pela comunidade. Crédito de imagem: Daily Balochistan Express

No , comunidades impactadas pelo financiado pelo Banco Mundial, participaram de um processo de pesquisa comunitária para garantir mudanças bem-sucedidas no modelo do projeto e no plano de reassentamento.

No á, habitantes de Colón usaram a pesquisa comunitária para determinar a opinião e o engajamento da comunidade em um ção Financeira Internacional. Os resultados ajudaram a comunidade a decidir sobre a resposta mais estratégica a esse projeto, revelando a falta de consultas e acesso à informação, além de questões de proteção e segurança.

No , comunidades tradicionais de pescadores usaram os materiais do IAP sobre pesquisas comunitária para identificar suas prioridades de desenvolvimento em antecipação à Interamericano de Desenvolvimento. Os resultados da pesquisa estão sendo usados para criar um plano de desenvolvimento liderado pela comunidade como alternativa, baseado nas prioridades de desenvolvimento identificadas.

A IAP acredita que apoiando as comunidades na coleta de dados baseados em seus conhecimentos e experiências locais podemos desafiar de forma coletiva os desequilíbrios de poder e garantir que o desenvolvimento seja mais inclusivo, sustentável e reflita as prioridades das comunidades.

Criar e defender o desenvolvimento liderado pela comunidade é um esforço coletivo. A IAP agradece aos parceiros da sociedade civil e às comunidades com as quais trabalhamos pelos conselhos, feedback e ferramentas compartilhadas conosco. Esperamos que esse guia contribua para o esforço contínuo de criar um mundo onde o desenvolvimento é pensado e vivido pelas mesmas pessoas.

A IAP está traduzindo esses materiais. Se você gostaria de ajudar, entre em contato conosco em .

Para mais informações sobre pesquisas comunitárias, veja o relatório da Comunitárias, realizada pela IAP em Chiang Mai, Tailândia.

IAP is a human and environmental rights organization that works with communities, civil society and social movements to change how today’s development is done.

IAP is a human and environmental rights organization that works with communities, civil society and social movements to change how today’s development is done.